Notícias

« Voltar

Artistas pedem mais apoio de empresas à cultura de Tocantins

 
 
8.6.2018 - 15:02  
Marcela Pultrini (ao lado de Kadu Oliviê), da companhia de circo Os Kako, foi ao seminário do Circuito #CulturaGeraFuturo aprender mais sobre o uso da Lei Rouanet (Foto: Clara Angeleas/Ascom MinC)
 
 
O Cine Cultura, em Palmas (TO), fez mais uma vez jus a seu nome. Mais de 100 artistas, gestores e incentivadores envolvidos com música, teatro e outras manifestações artísticas participaram nesta sexta-feira (8), no tradicional espaço da cidade, de mais uma edição do Circuito #CulturaGeraFuturo, promovido pelo Ministério da Cultura (MinC) para ampliar o alcance da política cultural e dos instrumentos de fomento ao setor do Governo Federal. 
 
Artistas circences, atores, escritores, membros de quadrilhas juninas e instrumentistas eram alguns dos participantes do encontro, iniciado pela manhã com a presença do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, que apresentou dados que destacam a força da cultura como eixo de promoção do desenvolvimento econômico do Brasil. 
 
"Viemos de Taquaruçu tirar dúvidas sobre como proceder com a Lei Rouanet depois que empresas parceiras demonstraram interesse em nos oferecer apoio", contou Marcela Pultrini, coordenadora de projetos da companhia de circo Os Kaco, que transmite valores de sustentabilidade e educação ambiental por meio do circo social no distrito turístico da capital tocantinense. 
 
O grupo de Marcela promove o único festival de circo do Norte do país, cuja quinta edição foi encerrada na semana passada. "Entendemos a lei como principal alternativa de apoio, já que não temos políticas públicas semelhantes no estado e no município", afirmou. 
 
Suspiro de vida 
 
"É importante que o ministério vá a todos os lugares para mostrar que há um suspiro de vida e que podemos entender a economia criativa como um fator de renda para todo o país", destacou Genésio Tocantins (Foto: Clara Angeleas/Ascom MinC)
 
O músico Genésio Tocantins compareceu ao encontro satisfeito com a oportunidade de interagir com o MinC em busca não apenas de apoio, mas também de ânimo para prosseguir com a elaboração de projetos. "É importante que o ministério vá a todos os lugares para mostrar que há um suspiro de vida e que podemos entender a economia criativa como um fator de renda para todo o país, inclusive o Tocantins", destacou. 
 
Genésio teve dois projetos aprovados pelo MinC via Lei Rouanet, mas nada captou. Ele espera que, após o seminário, o empresariado local dê mais atenção à cultura local. "Falta conscientização das empresas nesse aspecto", lamentou.
 
Assim como Genésio, o presidente da Federação das Quadrilhas Juninas do Tocantins, Adevan Rodrigues, teve projetos aprovados pelo MinC, mas não conseguiu captar recursos. Ainda assim, incentiva os grupos a se informarem sobre os mecanismos de fomento. "Dos 25 grupos de quadrilhas da capital, oito se inscreveram no seminário. A presença deles é importante, o evento traz conhecimento e esclarecimentos da importância dessas formas de apoio", afirmou.
 
Cantor, compositor, educador social, produtor cultural e gestor do Ponto de Cultura Meninos de São João, na área rural de Palmas, Dorivan Borges, o "Passarim do Jalapão", também foi ao evento em busca de novas oportunidades. "Este encontro é fundamental para a cultura do estado. A Região Norte do país é a parte que fica com a menor parte do quinhão, sempre foi esquecida por essas políticas públicas. Ficávamos a ver navios", lembrou o artista, agora ciente e
Dorivan Borges, o "Passarim do Jalapão", soube no evento que MinC estabelece, em seus programas, cotas que beneficiam a região Norte (Foto: Clara Angeleas/Ascom MinC) 
 
esperançoso sobre as cotas destinadas à região. 
 
Passarim teve acesso, durante o seminário, a informações sobre a iniciativa do MinC de estabelecer, em seus programas, mecanismos indutores de produção cultural e cotas que beneficiam a região Norte. 
 
O assunto foi um dos destaques do encontro. Para garantir oportunidades iguais a todas as regiões brasileiras e promover a desconcentração regional da produção cultural do País, a nova Instrução Normativa da Lei Rouanet, publicada em 2017, prevê que os projetos da região possam captar 50% a mais de recursos junto a seus patrocinadores do que os projetos do Sudeste, região que concentra o maior número de captação de recursos por meio da lei de incentivo à cultura. 
 
Os editais do programa #AudiovisualGeraFuturo também contam com cota regional de, pelo menos, 30% para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, além de 20% para o Sul e para os estados de Minas Gerais e Espírito Santo. 
 
Tocantins foi o 15º estado a receber o Circuito #CulturaGeraFuturo. Depois de Palmas, as atividades seguem para Goiânia (GO) nesta segunda-feira (11).
 
Leia mais:
Asssesoria de Comunicação
Ministério da Cultura