Igreja da Pampulha, em Belo Horizonte (MG), será restaurada

 
 
11.6.2018 - 14:09  
Projetada por Oscar Niemeyer, a  Igreja de São Francisco de Assis vai receber R$ 1,07 milhão do Iphan/MinC para sua completa restauração (Foto: Acervo Iphan)
 
 
Um dos marcos do Conjunto Moderno da Pampulha, a Igreja de São Francisco de Assis foi o primeiro monumento moderno a ser tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), ainda em 1947. Parte do complexo, que também foi reconhecido como Patrimônio Mundial, esse importante símbolo mineiro será agora restaurado, garantindo sua conservação e preservação, conforme as recomendações do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), órgão assessor da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
 
A obra de restauração será executada pela Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, com recursos de cerca de R$ 1,07 milhão do Governo Federal, por meio do Iphan, provenientes do programa PAC Cidades Históricas. A ordem de serviço para o início dos trabalhos foi assinada nesta segunda-feira (11), com a presença da presidente do Iphan, Kátia Bogéa; do diretor do Departamento de Projetos Especiais do Iphan, Robson de Almeida; da superintendente do Iphan em Minas Gerais, Célia Corsino, e de outras autoridades locais.
 
A Igreja São Francisco de Assis será completamente restaurada, incluindo serviços de revitalização de piso, revestimentos, pinturas, impermeabilização e recuperação de elementos danificados. O templo é parte do Conjunto Moderno da Pampulha, também formado pela Casa de Baile, pelo Iate Tênis Clube, pelo Cassino (atual Museu de Arte da Pampulha) e pela Casa Kubitscheck, e foi inaugurado em 1943, na região da Pampulha, durante a gestão de Juscelino Kubitscheck como prefeito de Belo Horizonte. O projeto para o complexo da Pampulha reuniu nomes como Oscar Niemeyer, Roberto Burle Marx, Cândido Portinari e Alfredo Ceschiatti e todo o Conjunto foi tombado pelo Iphan em 1997. O título de Patrimônio Mundial foi concedido pela Unesco em 2016, sendo o primeiro bem cultural a receber o título de Paisagem Cultural do Patrimônio Moderno. 
 
Congonhas
 
Também nesta segunda-feira, será assinada ordem de serviço para a restauração do Centro Cultural da Romaria, cem Congonhas, com uma previsão de investimentos de R$ 5,5 milhões do Governo Federal, por meio do Iphan/MinC, e execução da Prefeitura Municipal.
 
O projeto para o novo equipamento cultural da cidade vai oferecer condições técnicas ideais para receber diversos tipos de espetáculos. A intervenção será executada em duas frentes de trabalho, uma para a restauração do Centro Cultural da Romaria e outra etapa futura para a construção do novo Teatro Municipal. O projeto prevê a integração do Centro Cultural ao Parque Natural da Romaria, que também está em execução.
 
Investimentos no Patrimônio Cultural
 
Belo Horizonte e Congonhas estão entre os 44 municípios contemplados com ações do PAC Cidades Históricas em todo o país. Em Belo Horizonte, já foi concluída parte da restauração da Casa do Conde de Santa Marinha e Galpão da antiga oficina, que é, atualmente, sede do Iphan no estado. Já em Congonhas, foram concluídas as obras de restauração da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição e da Igreja do Rosário, além da requalificação urbanística da Alameda Cidade Matozinhos de Portugal. Também estão em execução na cidade a implantação do Parque da Romaria e a restauração da Basílica do Senhor do Bom Jesus de Matozinhos, já em sua fase final. Em Minas, outras seis cidades foram contempladas pelo Programa: Sabará, Ouro Preto, Diamantina, Serro, São João Del Rei e Mariana – sendo 93 ações em todo o estado e uma previsão de investimentos de cerca de R$ 256 milhões.
 
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)
Ministério da Cultura