« Voltar

CEUs de quatro cidades serão beneficiados pelo Fundo Internacional da Diversidade Cultural

 
 
11.1.2018 - 14:59  
 
 
Centros de Artes e Esporte Unificados (CEUs) de quatro municípios brasileiros – Toledo (PR), Embu das Artes (SP), Serra Talhada (PE) e Macapá (AP) – serão beneficiados por projeto do Fundo Internacional da Diversidade Cultural da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O projeto, elaborado por uma equipe de profissionais do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), tem o apoio do Ministério da Cultura (MinC) e foi um dos sete selecionados pelo fundo, juntamente com iniciativas da sociedade civil e instituições governamentais de outros países. Serão repassados ao Cebrap US$ 91 mil.
 
Essa linha de financiamento do Fundo da Diversidade Cultural da Unesco busca promover o desenvolvimento sustentável e a redução da pobreza em países em desenvolvimento, com foco na diversidade cultural. Para o secretário de Infraestrutura Cultural do MinC, Alfredo Bertini, os CEUs realizam exatamente esse trabalho. "São centros que integram, em um mesmo espaço, programas e ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação profissional, além de serviços socioassistenciais e políticas de prevenção à violência e de inclusão digital, com o objetivo de promover a cidadania em territórios de alta vulnerabilidade social. Ou seja, comungamos o mesmo objetivo", destaca.
 
A proposta do Cebrap neste projeto é trabalhar com a capacitação de agentes culturais locais nos CEUs, com foco na economia da cultura e no fortalecimento de redes e cadeias locais da cultura. A ideia é que esses agentes se tornem multiplicadores em suas regiões. 
 
Em cada Praça CEU, haverá uma etapa de alinhamento da agenda e da estratégia com os Grupos Gestores e a coordenação-geral e, depois, o desenvolvimento dos cursos de capacitação para fomento das cadeias da cultura, com conteúdo teórico e prático. O projeto tem duração total prevista de 18 meses, de março de 2018 a agosto de 2019. A Secretaria de infraestrutura Cultural do MinC acompanhará todo o desenvolvimento do projeto e participará da articulação com os CEUs.
 
"A realização de cursos de capacitação para formar agentes socioculturais em CEUs estrategicamente selecionados reforçará as boas práticas e resultados. O fortalecimento de agentes e redes locais com foco na economia da cultura tende a reforçar a diversidade e a qualidade dos serviços socioculturais oferecidos nos centros, bem como as possibilidades de sustentabilidade dos equipamentos em si, além de fomentar a geração de renda para as comunidades", destaca Bertini. 
 
Mapear e capacitar
 
Segundo a coordenadora-geral do projeto, Maria Carolina Vasconcelos, o trabalho vai envolver diretamente os responsáveis pela gestão dos CEUs nas atividades de formação e de diagnóstico das necessidades locais e, com isso, ajudar a construir – e em alguns casos fortalecer – uma rede de interação entre esses equipamentos e a comunidade cultural local, bem como ampliar as informações e o conhecimento que esses equipamentos possuem sobre as cadeias de produção cultural local.
 
"Produzir e organizar conhecimento que sirva de insumo para as políticas públicas é algo que o Cebrap vem fazendo há décadas, e notamos que isso melhora a capacidade de ação dos gestores e a efetividade das políticas", frisa Carolina. "Nesse sentido, a parceria e a interlocução com as equipes locais dos CEUs nas quatro cidades é fundamental. Vale lembrar que a articulação e a interação sistemáticas com as comunidades culturais locais é uma das diretrizes do projeto dos CEUs", completa.
 
A equipe do Cebrap estima que, em cada cidade, cerca de 40 atores culturais – entre atores públicos e da sociedade civil, preferencialmente gestores dos CEUs, de prefeituras locais e de outros equipamentos públicos – participem das atividades. Haverá ainda um treinamento específico de cinco representantes de cada região, da sociedade civil, que trabalharão como multiplicadores de conhecimentos locais de forma remunerada e serão centrais no levantamento de informações para compor o diagnóstico e o mapeamento de cada região. "A ideia é que esses atores, depois, possam continuar atuando como articuladores no desenvolvimento das cadeias de produção local e fomentando a participação da sociedade civil na formulação de agendas de políticas de cultura locais", explica Carolina.
 
Critérios de seleção
 
Os CEU de Serra Talhada (no alto) e Macapá (acima) estão entre os contemplados pelo projeto do Cebrap (Fotos: Seinfra/MinC e Prefeitura Municipal da Macapá)
 
Os critérios de seleção dos municípios foram amplos e levaram em conta principalmente a diversidade dos cenários culturais em questão. "Temos cidades de perfis bem diferentes: Embu das Artes (SP) é tradicionalmente conhecida pelas atividades artesanais, mas também faz parte da periferia da maior região metropolitana do país e apresenta uma produção forte no que hoje vem sendo conhecido como "cultura periférica". Toledo (PR) apresenta uma mistura entre as representações de "cultura universitária" e de "cultura rural", além de estar próxima às fronteiras entre Brasil, Paraguai e Argentina, o que também traz uma característica de interculturalidade. Macapá (AP) mistura os atributos de uma pequena capital, com suas culturas mais centrais e mais periféricas, e uma forte presença de culturas indígenas. Já Serra Talhada (PE) traz a presença das culturas tradicionais e populares, com mecanismos específicos de organização e transmissão, e que enfrentam questões decorrentes da difusão de conteúdos mais massivos ou industriais, do crescimento da adesão a meios como a internet, por exemplo", justifica Carolina.
 
Outros contemplados
 
Além do projeto brasileiro, o Fundo Internacional da Diversidade Cultural da Unesco selecionou mais seis projetos, sendo dois transnacionais da América Latina: o projeto de México e Guatemala chamado Empreendedores pela Diversidade, e o projeto de Colômbia, Bolívia, Equador, México, Peru e Uruguai, denominado Apropriação, Reforço e Promoção do Cinema Latino-Americano por meio da plataforma regional Retina Latina. Também foram escolhidos projetos de Montenegro, Ucrânia, Albânia e Senegal.
 
Heli Espíndola
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura