« Voltar

Aniversário de Brasília terá eventos gratuitos na Funarte

 
 
20.04.2017 - 16:25  
'Varal de Bonecos', com a Cia. Bagagem (Foto: Kakau Machado)
 
 
 
A Fundação Nacional de Artes (Funarte) comemora de forma inédita, nesta sexta-feira (21), os 57 anos de fundação da Capital Federal. Em um dia inteiro de atividades e programações culturais, a Funarte inaugura com festa uma nova forma de se relacionar com a cidade, no dia do seu aniversário.
 
O evento marca, ainda, o lançamento do projeto Funarte Viva – uma pauta de ações com o objetivo de conferir nova identificação e novas perspectivas à Coordenação Regional da Fundação em Brasília. A meta, essencialmente, é tornar os espaços do Complexo Cultural mais abertos e acessíveis, inclusive por mecanismos digitais.
 
A programação desta sexta vai se estender por toda a Funarte, das 9h às 21h. Os artistas que vêm se apresentar podem usufruir da estrutura de palco, luz e som, e recebem o suporte da equipe interna da casa para oferecerem ao público seus espetáculos.
 
As artes visuais também estão contempladas na agenda cultural do dia, com as exposições Parque funcional, do paulistano Beto Shwafaty, na Marquise/Entorno do Complexo, e À Vista – Paisagem em contorno, que reúne as artistas Bruna Neiva, Cecília Bona, Iris Helena, Karina Dias, Julia Milward, Luciana Paiva, Nina Orthof, Raquel Nava e Yana Tamayo na Galeria Fayga Ostrower. As duas mostras foram selecionadas pelo Prêmio Funarte de Arte Contemporânea – Atos Visuais 2015 e permanecem abertas à visitação até 4 de junho.
 
O projeto Funarte Viva retoma a proposta original do Complexo Cultural em Brasília, criado cerca de dez anos depois da fundação da cidade: ser um agente ativo da cultura brasiliense e um efetivo articulador de oportunidades, tanto para os artistas como para a população. A meta da Coordenação é instituir, a curto prazo, um calendário permanente de eventos e projetos de apoio à classe artística, com iniciativas educacionais relacionadas às artes. O fortalecimento do serviço interno também integra os objetivos do Funarte Viva, especialmente no que se refere ao contato com o público e com a classe artística.
 
Com este evento, a Funarte inicia um processo de ressignificação e fortalecimento de sua Coordenação em Brasília, através da ocupação democrática, com artistas e programações diversificadas, acessíveis a diferentes públicos e de qualidade.

Serviço:

Evento Funarte Viva, em comemoração ao aniversário de Brasília

Dia 21 de abril | Sexta, das 9h às 21h
Complexo Cultural Funarte Brasília. Eixo Monumental, Setor de Divulgação Cultural, Brasília, DF (entre a Torre de TV e o Centro de Convenções)
Classificação etária: livre 
Entrada franca

Programação na tenda Funarte Viva e área externa

9h: Abertura IMAGEM

 

9h: Encontro Livre de Palhaços

 
Com música e pequenas encenações, um cortejo de 20 palhaços vai levar muita confusão e muito riso para os gramados da Funarte e vizinhanças. Esta é a forma alegre e descontraída que os profissionais da arte circense escolheram para saudar o público da Funarte e para celebrar os 57 anos da capital federal. IMAGEM

 

10h: Oficina de circo Besouro Acrobático

 
Crianças a partir de 5 anos de idade estão convidadas a experimentar um pouco de acrobacia de solo com os professores de circo do Besouro Acrobático. A atividade, programada para a área externa da Funarte, vai reunir brincadeiras, exercícios de alongamento e flexibilidade, além de malabarismo e pirâmide humana. A acrobacia é uma forma divertida de desenvolver a força, o equilíbrio e a confiança.
 

9h: Abertura

 

9h: Encontro Livre de Palhaços

 
Com música e pequenas encenações, um cortejo de 20 palhaços vai levar muita confusão e muito riso para os gramados da Funarte e vizinhanças. Esta é a forma alegre e descontraída que os profissionais da arte circense escolheram para saudar o público da Funarte e para celebrar os 57 anos da capital federal.
 
10h: Oficina de circo Besouro Acrobático
 
Crianças a partir de 5 anos de idade estão convidadas a experimentar um pouco de acrobacia de solo com os professores de circo do Besouro Acrobático. A atividade, programada para a área externa da Funarte, vai reunir brincadeiras, exercícios de alongamento e flexibilidade, além de malabarismo e pirâmide humana. A acrobacia é uma forma divertida de desenvolver a força, o equilíbrio e a confiança.
 

11h: Espetáculo circense Pocatelha em Concerto

 
O palhaço Pocatelha vai se apresentar em um concerto nada usual, com um carrinho de bebê, seu bebê, instrumentos e toda uma parafernália musical. Durante as canções, ele é constantemente interrompido pela criança, que chora por diferentes motivos. O espetáculo aborda também a temática da paternidade contemporânea, e brinca com os desafios de um pai que leva seu filho ao trabalho.
 
12h: Show com o Mágico Landim
 
Especialista em espetáculos de mágica infantil com humor, há 26 anos Landim surpreende e diverte públicos de todas as idades. Com roteiro e direção de Luís Carlos Araújo, o espetáculo integra as figuras do mágico e do palhaço em um mesmo personagem. Os 45 minutos de apresentação começam com demonstrações de alguns clássicos da mágica, com bengalas, plumas, flores, lenços e aros. Em seguida, o artista interage com a plateia com brincadeiras e participações voluntárias.
 
13h: Espetáculo circense Como era o Mundo Antes da Páscoa ou Em Busca do Ovo Perdido
 
Era uma vez, vindas de mundos distantes, duas princesas: Espânica e Darilene. Elas saíram de seus reinos, em suas naves supersônicas, para vir à Terra, cada uma em busca de algo muito, muito, muito especial. As duas não se conheciam, nunca haviam se encontrado antes dessa viagem, mas algo maior as uniu. Como era mundo antes da Páscoa ou Em busca do Ovo Perdido" é um espetáculo do Grupo de Circo Teatro Sagrado Riso, com Alessandra Vieira e Rosana Loren no elenco, narração de Marcelo Nenevê e direção de Alessandra Vieira.
 
14h: Lançamento do livro Poética Capital: feições do dia e das gentes
 
Odudu Alves é o heterônimo de Eduardo Alves da Silva, contemplado com a Bolsa Funarte de Criação Literária 2010. A obra Poética Capital, realizada com o incentivo da Funarte, está pautada na produção de um cartão postal poético de Brasília e de seu entorno. A partir de fotografias do cotidiano das gentes, das paisagens, das intempéries e emoções, em versos, a imagem poética se revela durante os quatro turnos diários: a manhã, a tarde, a noite e a madrugada. O zelador do prédio, os pilotis, os funcionários da limpeza urbana, o comércio ambulante, o menino em situação de rua, o sol e o céu, a vertigem dos grandes vazios, os vãos de Niemayer, Planaltinas, Guarás, Ceilândias, Taguatingas e Cruzeiros, são alguns retratos que o autor busca compor. A arte gráfica também traz sua poesia, pois ícones sobre a numeração das páginas indicam o momento em que se passa o texto. A capa traz recortes selecionados de fotografias tiradas em mesmo quadro durante todas as horas do dia. Assim, este vai passando enquanto se passa o olhar e a luz muda, o instante muda; tudo muda em conformidade com os poemas reunidos.
 

15h: Espetáculo de mamulengo Varal de Bonecos

 
Varal de Bonecos é uma brincadeira de mamulengo com o grupo Bagagem Cia. de Bonecos, com texto próprio inspirado no teatro popular tradicional. A história narra as desventuras da menina Linduína que, em apuros, pede socorro à polícia. O efetivo policial local é formado pelo Sargento, pai de Linduína e o Cabo. Para a grande empreitada de capturar o malfeitor os dois se preparam taticamente e usam até uma arma secreta. O Padre traz uma "benção" especial. Muita brincadeira e correria, com o melhor do teatro popular. O espetáculo é conduzido pelos atores/bonequeiros Airton Masciano, Eudes Leão e Leda Carneiro. A Bagagem Cia. de Bonecos atua desde 1983 em Brasília, com a proposta de pesquisa do teatro de bonecos, montagem de espetáculos e gestão cultural.
 

19h30: Espetáculo teatral Afinidades

 
Com enredo que funde comédia e drama, a peça Afinidades, do Grupo Caras – Teatro Multifácico, reúne esquetes não lineares que se concentram em relações amorosas. O espetáculo aborda, principalmente, conflitos cotidianos de casais que brigam por motivos supérfluos, fúteis e que se tornam pontos de partida para desestabilizar as relações. Os atores Adilson Diaz, Arthur Matos, Jefferson Leão, Letícia Lins, Luanna Rocha, Matheus Sena e Rodrigo Mariani interpretam comportamentos de casais comuns, que enfrentam problemas típicos da modernidade e das novas dinâmicas de relacionamento. A direção é de Marizilda Rosa, Codireção de Eldo Raposo e texto de Elmo Férrer. O Grupo Caras – Teatro Multifácico se norteia por uma política de contrapartida social e mantém parceria com o projeto das Aldeias Infantis SOS Brasil, que funciona há mais de um ano no Paranoá-DF e atende cerca de 150 crianças. O grupo aceita doações de alimentos, brinquedos ou agasalhos para o projeto.
 

20h: Jongo do Cerrado 

 
O Jongo do Cerrado é um grupo de estudo e prática criado em 2015, com a proposta de conhecer e apreender a arte e a história do jongo e sua significância como cultura de resistência durante o período da escravidão. O jongo é descendente direto das danças dos africanos, que vieram em grande número do Congo e de Angola para trabalhar nas fazendas de café do Vale do Paraíba durante o século 19. A roda de jongo, como diziam os antepassados, é sagrada; representa a família, que, juntamente com os tambores, conecta aos ancestrais e a todos os seus ensinamentos. Em uma roda de jongo, todos são iguais.
 

20h30: Encerramento

Programação no palco Funarte Viva

14h: Abertura

 

14h: Batalha de Mc's

 
A Batalha do Museu, atualmente a maior disputa de rimas improvisadas do Brasíl, começou em abril de 2012 e é assídua nas tardes de domingo no Museu da República. Nesses encontros, jovens de todas as cidades do DF e de outros pontos do país dão um exemplo da dimensão e importância da cena do Rap de Brasília. Só em 2017, já vieram participar da Batalha Mc's do Rio Grande do Sul, do Rio de Janeiro, da Bahia, de Goiás de São Paulo e do Mato Grosso. Idealizado por Gerson Macedo de Oliveira (zen), Marcos (kamorra) e Lucas (meleca), o evento reúne hoje mais de 70 Mc's por semana.

 

15h30: Aulão de Charme

 
Os bailes de dança Charme podem ser definidos como um movimento popular cultural que propõem uma reinvenção da identidade cultural negra. Ao som da black music, os frequentadores experimentam passos de dança desenvolvidos no salão e exibem um estilo apurado de trajes e de penteados, originalmente marcados por referências afro. Sob a liderança de NettodoCharme, o Grupo de Dança Charme em Movimento foi criado em setembro de 2014 no Distrito Federal, e desde então realiza projetos de formação de público, amostras de danças, workshops, festivais, bailes flash back. Conquistou o 2º lugar na mostra de dança Aberto para Balanço (Sesc DF), e o 1º lugar no campeonato nacional Festival Fernandha Fernandes. Classificou-se, também, em festivais nacionais e internacionais de dança como: H2beach (São Paulo) e Festival Internacional SuperStar Dance (Paraguai).

 

16h30: Banda Super Troperos

 
A banda Super Troperos avisa que não adianta perguntar sobre a origem ou o sentido do nome que leva, porque isso nenhum de seus integrantes sabe explicar. O que esses amigos de infância sabem é que o grupo surgiu com um único propósito: fazer da música um instrumento de diversão para as pessoas e de libertação dos olhares críticos. A banda é formada por Yuri Alves no vocal, Matheus Cerqueira na bateria, Gabriel Mendes no baixo, Lucas Gabriel na guitarra e Evanderson Corrêa no violão.
 

17h30: Banda The Froidians

 
A The Froidians, fundada em 2008, retorna aos palcos com nova formação e novas músicas autorais. O grupo, que também apresenta covers de alguns dos grandes clássicos do rock, é composto atualmente por Brenda Kubota nos vocais, Leonardo Garcia no baixo, Rafael Zacky na guitarra e Renan Davidson na bateria.
 

19h: Banda Hotel Blues

 
No início dos anos 90, os músicos Alzônio e Rogério já frequentavam as mesmas garagens, tocando clássicos do rock com a Banda Wolg Gang. Rubião iniciava sua trajetória musical com o RCDAC,- Roberto Carlos das Antigas Cover e Ivanaldo integrava as bandas Rumble Fish e Elffus. O grupo começou a se formar em 98, quando Rogério, Ivanaldo e Rubião fundaram a Travelin' Band, focada no som da banda norte-americana dos anos 70 Creedence Clearwater Revival. Mas foi só em 2015 que esses músicos, todos com vasta experiência no rock setentista, resolveu desenvolver um trabalho de cunho autoral. Estava criada a Hotel Blues, banda que compõe com letras em português e adiciona estilo próprio à sonoridade universal do blues e do rock´n´roll. Participam do grupo Rogério DP no vocal, Ivanaldo na guitarra, Cláudio (Rubião) no contrabaixo e Alzônio na bateria.
 

20h: Banda Acoustic Hits

 
A partir de uma conexão entre Brasil e Venezuela, a banda Acoustic Hits surgiu em Brasília, no final de 2015, com um trabalho voltado para o pop-rock. Rodrigo Calcagno (voz e violão), Jota Magalhães (bateria), Henrique Maia ( baixo) e Thiago Campos (guitarra e voz), desenvolvem sons internacionais com arranjos de personalidade e uma roupagem mais acústica, que exploram, sempre que possível, os elaborados rearranjos de violão do frontman venezuelano. Dentro de um repertório de clássicos e hits – como o nome da banda denuncia – esses músicos flertam com o rock, o pop, o reggae e a música latina.
 

21h: Encerramento da programação

 
Fundação Nacional de Artes (Funarte)
Ministério da Cultura